Sem categoria

CEMIG SIM VAI A BRASÍLIA DEFENDER GERAÇÃO COMPARTILHADA

As empresas Órigo Energia, CEMIG Sim, Mori, Alsol, Sun Mobi, ENC Energy e Illuminatus Energia se reuniram ontem (12) com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em Brasília, para entregar documento redigido pelas companhias, que sugere que a Agência reconheça as especificidades da modalidade de geração compartilhada no processo de revisão da Resolução Normativa 482. A ação acontece a poucos dias da Agência finalizar o prazo de entrega de contribuições para consulta pública que revisará a atual regulamentação.

A carta explica o potencial da geração compartilhada na democratização do acesso à energia limpa por consumidores de menor porte, da base da pirâmide social.

Na modalidade de geração compartilhada, consumidores se reúnem em cooperativa, consórcio ou condomínio para viabilizar conjuntamente uma usina de geração limpa e receber créditos da energia produzida em suas contas. Assim, não há necessidade de instalações nas próprias unidades consumidoras, permitindo que mais pessoas e empresas possam contribuir com investimentos na segurança energética e na redução de emissões de gases de efeito estufa, ainda que não disponham de infraestrutura física em seus estabelecimentos, como telhados próprios aptos a receber painéis solares. “Atualmente já temos entre nossos clientes muitas famílias que moram em imóveis pequenos, alugados ou sem condições técnicas de ter painéis solares, como é o caso da maioria dos prédios de apartamentos, portanto há uma democratização do acesso à energia solar”, relata Guilherme Susteras, sócio-diretor da Sun Mobi.

Nas avaliações atuais, a ANEEL não diferenciou a geração compartilhada do modelo de Autoconsumo Remoto, que é utilizado por grandes grupos econômicos. O diretor de novos negócios da Órigo Energia, Rodolfo Molinari, fala sobre o movimento e o pedido de análise separada. “Pedimos que as modalidades sejam avaliadas de forma individualizada, considerando que hoje a geração compartilhada representa menos de 2% de toda a capacidade instalada de geração distribuída, mas, ao mesmo tempo, é o principal veículo de democratização da energia para pequenos consumidores, e fomenta de forma relevante impactos sociais e ambientais nas comunidades”, diz Molinari.

O presidente da Illuminatus Energia, Vandislau Belluzzo, reforça a necessidade de considerar a segregação dessa modalidade: “Além de não ter se desenvolvido como as demais modalidades, a geração compartilhada surgiu apenas em 2016, quatro anos mais tarde do que as demais modalidades de geração distribuída”, diz.

O CEO da Cemig Sim, Danilo Gusmão, reforçou que a sugestão de separação é uma medida administrativa simples, que requer pouca alteração regulatória, e que oferece um resultado extremamente relevante para catalisar o modelo de geração compartilhada no Brasil. “Para Minas Gerais, este modelo foi essencial para desenvolver regiões remotas e áridas como o norte de Minas e o Vale do Jequitinhonha, que antes sofriam com o sol, e agora podem aproveitar o mesmo para fomentar o desenvolvimento regional”, diz.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cemig SIM

Em

Obras!

Estamos reformando esta área para você ter a melhor experiência possível.

Em breve, esse espaço será totalmente seu.